Nosso Blog

Empreendedorismo: O primeiro passo

Como dissemos antes, a fórmula mágica não existe, mas uma receita dos primeiros passos sim

O empreendedorismo como parte da sustentabilidade econômica vai além da sociedade, pois diz respeito ao indivíduo. Não há uma fórmula (mágica) para o sucesso. O leitor sabe disso. Embora, sabemos qual ou quais caminhos possuem maior ou menor chance de êxito. É nisso que vamos focar neste texto.
O desafio daquele que quer se lançar à vida de empreendedor e abrir seu próprio negócio vai além de uma escolha profissional e tem relação direta com a pergunta: como me sustentar e ao meu negócio? Sempre encarei como uma grande ideia, isto é, basta você ter uma boa ideia e dar o primeiro passo. Um mundo de possibilidades pode se abrir, acompanhem.
Como dissemos antes, a fórmula mágica não existe, mas uma receita dos primeiros passos sim. Após formulação da ideia de negócio, vamos para o segundo passo: a elaboração do modelo de negócio por meio da metodologia Canvas.
A partir deste mapa visual do seu negócio, do seu produto ou serviço você pode procurar por editais públicos ou privados. Vamos ao primeiro. Todos os Estados possuem uma Fundação de Amparo à Pesquisa Científica. Em grande maioria apoiam projetos de pesquisa e desenvolvimento que também pode ser parte importante no desenvolvimento de um produto ou serviço inovador. 
Lembre-se, inovação é, de acordo com o Manual de Oslo, a “implementação de um produto, bem ou serviço novo ou significativamente melhorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método organizacional nas práticas de negócios, na organização do local de trabalho ou nas relações externas”.
Nesta etapa, com a ideia elaborada, você já pode registrar seu direito autoral. Embora na legislação brasileira não se considera que as ideias estejam sujeitas à proteção jurídica você pode buscar uma proteção. Seja no registro público de documentos via cartório ou, a depender da obra criativa deve-se registrar em um órgão competente. Além, é claro do Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI).
Continuando, acesse o website da Fundação e relacione os editais abertos. Faça isso para três ou mais Estados. Identifique a melhor oportunidade e então sente-se, escreva e submeta o projeto. A própria fundação, muitas vezes, fornece os modelos de documentos a serem submetidos.
Muitos desses programas pagam uma bolsa auxílio ao empreendedor e é aqui que entra a sua possibilidade de dedicação integral para você desenvolver o seu negócio.
Se você estiver vinculado a uma instituição de ensino, procure pelo Núcleo de Inovação Tecnológica ou equivalente para avaliar potencial parceira de seu projeto com um pesquisador, grupo ou tecnologia desenvolvida na própria Instituição. Outra opção é buscar apoio junto aos Parques Tecnológicos e incubadoras de empresas. Conheça o Nexus Hub de Inovação do Parque Tecnológico de São José dos Campos, São Paulo. É um ótimo exemplo. Atualmente muitas incubadoras possuem um processo online de submissão e participação em seus programas.
Com o apoio de uma instituição, seja de Ensino e Pesquisa, incubadora ou associação o projeto pode ser enriquecido com a participação dos novos parceiros. O que será bem visto na avaliação ad-hoc da Fundação de Amparo a pesquisa.
Acredito que o leitor ainda está em dúvida, “por que pesquisar por três ou mais fundações?” A pergunta não é “por que”, mas “para que”.
Com o programa Microempreendedor Individual (MEI), você pode abrir uma empresa em qualquer Estado. O endereço de sua sede a ser cadastrado poderá ser o da incubadora, da instituição de ensino e pesquisa ou parceiros identificados. Há o caso ainda de escritórios de coworking ou similares, caso tenha orçamento para este investimento.
Em resumo, apresentamos então os primeiros passos para se empreender, dos quais muitos clientes e alunos me perguntam. A “grande ideia” pode vir de um trabalho de conclusão de curso, de uma experiência pessoal ou profissional vivida. Depois, preencha o Canvas e racionalize o seu modelo de negócio. Registre seu pré-projeto e busque por recursos financeiros ou econômicos para iniciar a sua empresa.
Continue nos acompanhando, nas próximas publicações abordaremos aspectos de captação de recursos privado e público, além da internacionalização de negócios e potenciais parcerias nacionais e internacionais. Vale lembrar que ser empreendedor é ter paciência, persistência e perseverança.

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!